Buscar
  • ASCOM Fé na Gente!

Audiência Pública Desigualdade Digital na Educação em Salvador.

“Precisamos pensar a Educação como um projeto prioritário de desenvolvimento da nossa cidade”, alerta Silvio Humberto.



 

A audiência pública realizada na última sexta-feira (3), pela Comissão de Educação da Câmara de Vereadores e proposta pelo vereador Silvio Humberto trouxe importantes pontos sobre a Desigualdade Digital na Educação em Salvador.


Realizada de forma remota, a atividade contou com a participação de representantes da rede de ensino da nossa cidade, como Nelson Preto( Doutor em Educação pela UFBA), Ivone Sacramento (Pedagoga da rede Municipal de Ensino), Marcus Barreto (Pedagogo e dirigente do Sindicato soa Trabalhadores em Educação da Bahia - APLB), Márcia Paim( Professora de rede Estadual de Educação) e dos vereadores Marcos Mendes (PSOL) e Toinho Carolino(Podemos), presidente da Comissão de Educação da CMS.


Os palestrantes avaliaram que educação precisa ser um espaço de acolhimento de alunos, estudantes, professores e familiares. “A desigualdade digital é problema social somado ao processo de exclusão histórica que vivemos. Precisamos pensar a Educação como um projeto prioritário de desenvolvimento para nossa cidade”, alertou Silvio Humberto.


A audiência evidenciou que as desigualdades digitais afetam toda a sociedade. “A batalha pela desigualdade digital é antiga e não se dá apenas com as faltas de tecnologias. É um problema social que vai desde a falta de comida na mesa até a falta de infraestrutura nas residências e domicílios, afetando crianças e idoso”, comentou a professora Márcia Paim.


O dirigente do sindicato que representa os trabalhadores da Educação na Bahia – APLB, Marcos Ferreira analisou que a falta infraestrutura das escolas tem impacto direto para as desigualdades “Problemas elétricos, falta de climatização e utilização de mídias desatualizadas contribuem para a precariedade e baixa qualidade da Educação. Uma pesquisa aponta que 30% dos alunos não possuem acesso às tecnologias digitais ou não possuem letramento digital”, disse.


O encaminhamento da tomado em audiência foi a proposta de formação contínua de professores tanto no campo das tecnologias quanto na pedagogia e um Fórum permanente de discussão entre as redes de ensino.

0 visualização0 comentário